• Boeing avança em testes com tanque de combustível criogênico feito de materiais compósitos; tecnologia está pronta para uso

    • Campanha bem-sucedida de fabricação e teste comprova a maturidade da tecnologia
    • Tecnologia de tanque ultraleve, totalmente feita com materiais compósitos é destinada a uma variedade de aplicações aeroespaciais
    • O teste também fornece informações sobre os estudos em andamento da Boeing com o hidrogênio como futura fonte de energia para a aviação comercial

    HUNTSVILLE, Ala.,  03 de fevereiro de 2022 - Um novo tipo de tanque de combustível criogênico de alta capacidade, feito totalmente de materiais compósitos e sem revestimento, projetado e fabricado pela Boeing, passou por uma série de testes importantes no Centro de Voos Espaciais George C. Marshall da NASA no fim de 2021. Os testes foram bem-sucedidos e mostram que a nova tecnologia está madura, segura e pronta para uso em veículos aeroespaciais.

    O tanque de materiais compósitos tem 4,3 metros de diâmetro – semelhante ao tamanho dos tanques de combustível para uso no estágio superior do foguete Space Launch System (SLS) da NASA, que é a capacidade fundamental do programa Artemis da NASA de exploração espacial e lunar. Se a nova tecnologia de compósitos fosse implementada em versões evoluídas do estágio superior de exploração do SLS, a redução de peso desta tecnologia poderia aumentar as massas de carga útil em até 30%.

    “Os compósitos são o próximo grande avanço tecnológico para grandes estruturas de armazenamento criogênicas aeroespaciais”, disse Carlos Guzman, Chefe da Fabricação de Tanques Criogênicos de Compósitos da Boeing. “Apesar dos desafios de lidar com os compósitos, esses materiais oferecem grandes vantagens em relação às estruturas metálicas tradicionais. A Boeing tem a combinação certa de experiência, conhecimento e recursos para continuar desenvolvendo essa tecnologia e colocá-la no mercado em uma variedade de aplicações aeroespaciais e aeronáuticas.”

    Durante os testes, financiados pela DARPA e Boeing, os engenheiros da Boeing e NASA encheram uma embarcação com líquido criogênico em vários ciclos de teste, pressurizando o tanque até atingir e ultrapassar as cargas operacionais esperadas. No teste final, que pretendia forçar o tanque até causar falhas, as pressões atingiram 3,75 vezes os requisitos do projeto sem causar falha estrutural significativa.

    “O suporte da NASA nesses testes foi essencial”, disse Steve Wanthal, Gerente de Testes da Boeing. “Usamos seus conhecimentos técnicos e investimentos na infraestrutura de testes do Centro de Voos Espaciais George C. Marshall para continuar avançando nessa tecnologia, o que beneficiará todo o setor.”

    As aplicações desta tecnologia expandem os voos espaciais anteriores. O teste, que se baseia na vasta experiência da Boeing com o uso seguro de hidrogênio em aplicações aeroespaciais, fornecerá informações sobre os estudos em andamento da Boeing com este combustível como futura fonte de energia para a aviação comercial. Além do uso em programas espaciais, a empresa concluiu cinco programas de demonstração de voo com hidrogênio.

    Como empresa aeroespacial líder global, a Boeing desenvolve, fabrica e presta serviços de manutenção de aeronaves comerciais, produtos de defesa e sistemas espaciais para clientes localizados em mais de 150 países. Como um dos principais exportadores dos Estados Unidos, a empresa usa sua base de fornecedores globais para promover oportunidades econômicas, sustentabilidade e impacto nas comunidades. A equipe diversificada da Boeing está comprometida com inovações no futuro e seus valores centrais de segurança, qualidade e integridade. Veja mais em www.boeing.com.br.