• A Boeing divulga resultados do primeiro trimestre

    • Progresso contínuo no retorno seguro ao serviço do 737 MAX e retomada de entregas do 787 no final de março
    • Receita de US$ 15,2 bilhões, prejuízo por ação GAAP de (US$ 0,92) e prejuízo por ação principal (não GAAP)* de (US$ 1,53)
    • Fluxo de caixa operacional de (US$ 3,4) bilhões; caixa e títulos negociáveis de US$ 21,9 bilhões
    • A carteira de pedidos total cresceu para US$ 364 bilhões; Aviões comerciais adicionaram 76 pedidos líquidos

    Chicago,  28 de abril de 2021 - A Boeing Company reportou a receita de US$ 15,2 bilhões no primeiro trimestre, impulsionada principalmente por menores entregas do 787 e volume de serviços comerciais, parcialmente compensados por maiores entregas do 737 e maiores receitas do KC-46A Tanker (Tabela 1). O prejuízo por ação GAAP de (US$ 0,92) e o prejuízo por ação principal (não GAAP)* de (US$ 1,53) refletem a melhoria do KC-46A Tanker ano a ano, mais entregas de 737 e custos mais baixos de aviões comerciais no período, parcialmente compensados por benefícios fiscais mais baixos e maiores despesas com juros. A Boeing registrou fluxo de caixa operacional de (US$ 3,4) bilhões.

    Tabela 1. Resumo dos resultados financeiros

    Primeiro Trimestre

    (Em milhões de dólares, exceto dados por ação)

    2021

    2020

    Alteração

    Receitas

    $15.217

    $16.908

    (10)%

    GAAP

    Prejuízos de operações

    ($83)

    ($1.353)

    NM

    Margem operacional

    (0.5)%

    (8.0)%

    NM

    Prejuízos Líquidos

    ($561)

    ($641)

    NM

    Perda por ação

    ($0,92)

    ($1,11)

    NM

    Fluxo de Caixa Operacional

    ($3.387)

    ($4.302)

    NM

    Não GAAP*

    Prejuízo operacional principal

    ($353)

    ($1.700)

    NM

    Margem operacional principal

    (2.3)%

    (10.1)%

    NM

    Prejuízo principal por ação

    ($1,53)

    ($1,70)

    NM

    *Medida não GAAP; as definições completas das medidas não GAAP da Boeing estão na página 6, "Divulgações de medidas não GAAP".    

    “Estou orgulhoso do progresso que nossa equipe global fez em nossos negócios no primeiro trimestre enquanto damos andamento ao processo de transformação de nossa empresa, fortalecer nossos processos de segurança e sustentar investimentos essenciais para o nosso futuro”, disse o presidente e CEO da Boeing, Dave Calhoun. “Embora a pandemia global continue a desafiar o ambiente geral do mercado, vemos 2021 como um ponto de inflexão fundamental para o nosso setor, à medida que a distribuição de vacinas se acelera e trabalhamos juntos com os governos e o setor para possibilitar uma recuperação intensa. Nosso equilibrado portfólio de comercial, defesa, espaço e serviços continua a fornecer estabilidade fundamental para nossos negócios – e continuamos focados em segurança, qualidade e integridade conforme cumprimos nossos compromissos com o cliente”.


    Tabela 2. Fluxo de caixa

    Primeiro Trimestre

    (Milhões)

    2021

    2020

    Fluxo de Caixa Operacional

    ($3.387)

    ($4.302)

    Menos adições à propriedade, planta e equipamentos

    ($291)

    ($428)

    Fluxo de Caixa Livre*

    ($3.678)

    ($4.730)

    *Medida não GAAP; as definições completas das medidas não GAAP da Boeing estão na página 6, "Divulgações de medidas não GAAP".    

    O fluxo de caixa operacional melhorou para ($ 3,4) bilhões no trimestre, refletindo o tempo de recebimentos e as despesas e mais entregas do 737, parcialmente compensados pelo menor número de entregas do 787 e menores pagamentos antecipados (Tabela 2).


    Tabela 3. Caixa, Títulos e Valores Mobiliários e saldos devedores

    Final do trimestre

    (Bilhões)

    1º tri 21

    4º tri 20

    Cash

    $7.0

    $7,8

    Títulos e Valores Mobiliários 1

    $14.9

    $17,8

    Total

    $21.9

    $25,6

    Saldos da Devedores:

    The Boeing Company, livre de empréstimos entre empresas para BCC

    $62,0

    $62,0

    Boeing Capital, incluindo empréstimos entre empresas

    $1,6

    $1,6

    Dívida total consolidada

    $63,6

    $63,6

    Os títulos e valores mobiliários consistem principalmente em depósitos a prazo com vencimento dentro de um ano, classificados como “investimentos de curto prazo”.

    O caixa e os investimentos em títulos e valores mobiliários sofreram uma queda para US$ 21,9 bilhões, em comparação com US$ 25,6 bilhões no início do trimestre, principalmente devido a saídas de caixa operacional (Tabela 3). A empresa refinanciou US$ 9,8 bilhões em dívidas no trimestre. Além disso, aumentou suas facilidades de crédito rotativo em US$ 5,3 bilhões para um total de US$ 14,8 bilhões, que permanecem sem retiradas.

    A carteira de pedidos total da Boeing, no final do trimestre, era de US$ 364 bilhões.

    Resultados do segmento

    Aviões comerciais


    Tabela 4. Aviões comerciais

    Primeiro Trimestre

    (Em milhões de dólares)

    2021

    2020

    Alteração

    Entregas de aviões comerciais

    77

    50

    54%

    Receitas

    $4.269

    $6.205

    (31)%

    Prejuízos de Operações

    ($856)

    ($2.068)

    NM

    Margem operacional

    (20.1)%

    (33.3)%

    NM

     

    A receita do segmento de Aviões Comerciais no primeiro trimestre diminuiu para US$ 4,3 bilhões, impulsionada pelo menor número de entregas do 787, parcialmente compensadas por mais entregas do 737 (Tabela 4). A margem operacional do primeiro trimestre melhorou para (20,1) por cento, principalmente devido o maior número de entregas do 737 e custos mais baixos no período.

    A Boeing continua progredindo no retomada segura das operações com o 737 MAX em todo o mundo. Além disso, a companhia está trabalhando em estreita colaboração com a FAA e seus clientes para resolver problemas elétricos identificados em determinados locais na cabine de comando de alguns aviões 737 MAX selecionados. Desde a aprovação da FAA para a retomada das operações com o 737 MAX, em novembro de 2020, a Boeing entregou mais de 85 aeronaves do modelo e 21 companhias aéreas retornaram suas frotas ao serviço, voando de forma segura em mais de 26 mil voos regulares e perfazendo aproximadamente 58.500 horas de voo até 26 de abril de 2021. O programa 737 está atualmente produzindo em um ritmo baixo e espera um aumento gradual da produção para 31 unidades por mês no início de 2022, com aumentos graduais adicionais para corresponder à demanda do mercado. A empresa continuará avaliando o plano de taxas de produção à medida que monitora o ambiente do mercado e participa das discussões com os clientes.

    A empresa também retomou as entregas do modelo 787 no final de março, após análises abrangentes para garantir que cada aeronave atenda aos mais altos padrões da empresa. Durante o trimestre, o programa 787 consolidou a montagem final para a Boeing South Carolina e fez a transição para a taxa de produção anunciada anteriormente de cinco aeronaves por mês.

    O segmento de Aviões Comerciais continua a trabalhar em estreita colaboração com os reguladores globais em todos os aspectos do desenvolvimento do 777X, incluindo seu rigoroso programa de testes e a empresa ainda espera entregar a primeira unidade no final de 2023. Conforme anunciado anteriormente, a taxa de produção combinada 777/777X está em transição para duas aeronaves por mês.

    A área de Aviões Comerciais da Boeing também obteve pedidos de 100 aeronaves 737 da Southwest Airlines, 25 737 da United Airlines, 23 737 da Alaska Airlines e quatro aeronaves cargueiras 747 da Atlas Air. O segmento de Aviões Comerciais entregou 77 aviões durante o trimestre e a carteira de pedidos incluiu mais de 4.000 aviões avaliados em US$ 283 bilhões.

    Defesa, Espaço e Segurança


    Tabela 5. Defesa, Espaço e Segurança

    Primeiro Trimestre

    (Em milhões de dólares)

    2021

    2020

    Alteração

    Receitas

    $7.185

    $6.042

    19%

    Lucros de Operações

    $405

    ($191)

    NM

    Margem operacional

    5.6%

    (3.2)%

    NM

     

    A receita do primeiro trimestre do segmento de Defesa, Espaço e Segurança aumentou para US$ 7,2 bilhões e a margem operacional do primeiro trimestre aumentou para 5,6 por cento, refletindo principalmente a maior receita do KC-46A Tanker devido a pedidos de 27 aeronaves e à ausência de encargos relacionados ao programa, parcialmente compensados por uma cobrança antecipada de impostos de US$ 318 milhões sobre o programa VC-25B, em grande parte devido aos impactos da COVID-19 e problemas de desempenho em um fornecedor importante.

    Durante o trimestre, o segmento de Defesa, Espaço e Segurança recebeu contratos dos Lotes 6 e 7 para 27 aeronaves KC-46A Tanker para a Força Aérea dos EUA, um contrato para 11 aeronaves P-8A Poseidon para a Marinha dos EUA e a Força Aérea Real Australiana e contratos para seis helicópteros Bell Boeing V-22 Osprey para a Marinha dos EUA e a Força Aérea dos EUA. O segmento de Defesa, Espaço e Segurança concluiu o primeiro voo e entrega do F-15EX para a Força Aérea dos EUA, conduziu com sucesso o teste de fogo quente do Sistema de Lançamento Espacial Green Run e iniciou a produção do T-7A Red Hawk Advanced Trainer. Outros destaques do trimestre incluem o primeiro voo da aeronave não tripulada Loyal Wingman na Força Aérea Real Australiana e o primeiro voo da aeronave Japan KC-46 Tanker.

    A carteira de pedidos do segmento de Defesa, Espaço e Segurança foi de US$ 61 bilhões, dos quais 31% representam pedidos de clientes fora dos EUA.

    Serviços Globais


    Tabela 6. Serviços Globais

    Primeiro Trimestre

    (Em milhões de dólares)

    2021

    2020

    Alteração

    Receitas

    $3.749

    $4.628

    (19)%

    Lucros de Operações

    $441

    $708

    (38)%

    Margem operacional

    11,8%

    15,3%

    (3,5) Pts

     

    A receita do primeiro trimestre o setor de Serviços Globais diminuiu para US$ 3,7 bilhões e a margem operacional do primeiro trimestre diminuiu para 11,8%, impulsionada principalmente pelo menor volume de serviços comerciais devido à COVID-19.

    Durante o trimestre, Serviços Globais recebeu um contrato de equipamentos de suporte em solo e logística para a Força Aérea Real Marroquina, bem como um contrato de reparo de equipamentos aviônicos F/A-18 e AV-8B para a Marinha dos EUA. O setor também entregou o 50º Boeing Converted Freighter 737-800 e introduziu o EA-18G Growler para o Programa de Modificação da Marinha dos EUA.

    Informações financeiras adicionais


    Tabela 7. Informações financeiras adicionais

    Primeiro Trimestre

    (Em milhões de dólares)

    2021

    2020

    Receitas

    Boeing Capital

    $60

    $65

    Itens não alocados, eliminações e outros

    ($46)

    ($32)

    (Prejuízos)/Lucros das Operações

    Boeing Capital

    $21

    $24

    Ajuste de custo de serviço FAS/CAS

    $270

    $347

    Outros itens não alocados e eliminações

    ($364)

    ($173)

    Outras receitas líquidas

    $190

    $112

    Juros e encargos de dívida

    ($679)

    ($262)

    Alíquota efetiva de imposto

    1,9%

    57,4%

     

    No final do trimestre, o saldo líquido do portfólio da Boeing Capital era de US$ 1,9 bilhões. A mudança no prejuízo de outros itens não alocados e eliminações foi, principalmente, devida ao aumento da remuneração diferida e despesas do plano com base em ações em comparação com o primeiro trimestre de 2020. Os juros e encargos de dívida aumentaram devido aos saldos mais altos das dívidas. A taxa de imposto efetiva do primeiro trimestre de 2021 reflete principalmente um benefício do impacto de prejuízos antes de impostos, em grande parte compensados por ajustes à provisão de avaliação e ajustes aos benefícios fiscais anteriormente registrados em 2020.

    Divulgações de medidas não GAAP

    Complementamos o relato de nossas informações financeiras determinadas de acordo com os Princípios Contábeis Geralmente Aceitos nos Estados Unidos da América (GAAP) com certas informações financeiras não GAAP. As informações financeiras não GAAP apresentadas excluem certos itens significativos que podem não ser indicativos ou não relacionados aos resultados de nossas operações comerciais em andamento. Acreditamos que essas medidas não GAAP fornecem aos investidores uma visão adicional sobre o desempenho contínuo dos negócios da empresa. Essas medidas não GAAP não devem ser consideradas isoladamente ou como um substituto para as medidas GAAP relacionadas e outras empresas podem definir tais medidas de forma diferente. Incentivamos os investidores a analisar nossas demonstrações financeiras e relatórios arquivados publicamente na íntegra e não confiar em nenhuma medida financeira única. As seguintes definições são fornecidas:

    Lucro operacional principal, margem operacional principal e lucro principal por ação

    O lucro operacional principal é definido como o lucro GAAP das operações, excluindo o ajuste de custo de serviço FAS/CAS. O ajuste do custo do serviço FAS/CAS representa a diferença entre a pensão dos Padrões de Contabilidade Financeira (FAS) e os custos do serviço pós-aposentadoria calculados de acordo com os GAAP e os custos alocados aos segmentos de negócios. A margem operacional principal é definida como lucro operacional principal expresso como uma porcentagem da receita. O lucro principal por ação é definido como o lucro diluído por ação GAAP, excluindo o impacto do lucro líquido por ação do ajuste de custo do serviço FAS/CAS e despesas não operacionais de pensão e pós-aposentadoria. As despesas não operacionais com pensões e pós-aposentadoria representam os componentes dos custos de benefícios periódicos líquidos, exceto o custo do serviço. Os custos de pensão, compreendendo o serviço e os custos de serviço anterior calculados de acordo com os GAAP, são alocados aos segmentos de Aviões Comerciais e negócios BGS que apoiam clientes comerciais. Os custos de pensão alocados aos negócios BDS e BGS que apoiam clientes do governo são calculados de acordo com as Normas de Contabilidade de Custos do Governo dos EUA (CAS), que empregam diferentes premissas atuariais e convenções contábeis dos GAAP. Os custos das CAS são alocáveis aos contratos governamentais. Outros custos de benefícios pós-aposentadoria são alocados a todos os segmentos de negócios com base nas CAS, que geralmente são baseadas nos benefícios pagos. A administração usa o lucro operacional principal, a margem operacional principal e o lucro principal por ação para fins de avaliação e previsão do desempenho comercial subjacente. A administração acredita que essas medidas do lucro principal fornecem aos investidores percepções adicionais sobre o desempenho operacional, pois excluem os custos de pensão sem serviço e pós-aposentadoria, que representam principalmente custos impulsionados por fatores de mercado e custos não alocáveis a contratos governamentais. Uma reconciliação entre as medidas GAAP e não GAAP é fornecida na página 13.

    Fluxo de caixa livre

    Fluxo de Caixa Livre é definido como Fluxo de Caixa Operacional GAAP, sem despesas de capital para adições de propriedades, plantas e equipamentos. A administração acredita que o Fluxo de Caixa Livre oferece aos investidores uma perspectiva importante sobre o caixa disponível para acionistas, pagamento de dívida, e aquisições depois de fazer os investimentos de capital necessários para apoiar as operações de negócios em andamento e criar valor a longo prazo. O Fluxo de Caixa Livre não representa o Fluxo de Caixa residual disponível para despesas discricionárias, pois ele exclui certas despesas obrigatórias, tais como pagamento de dívidas que vão vencer. A Administração utiliza a Fluxo de Caixa Livre como uma medida para avaliar tanto o desempenho dos negócios quanto a liquidez geral. A Tabela 2 apresenta uma reconciliação entre Fluxo de Caixa Livre e Fluxo de Caixa Operacional GAAP.

    Cautela com relação às declarações prospectivas

    Este comunicado de imprensa contém "declarações prospetivas" dentro do significado da lei de Reforma de Títulos Privados de 1995. Palavras como "pode", "deveria", "espera", "pretende", "projeta", "planeja", "acredita", "estima", "tem como intenção", "prevê", e expressões similares são usadas para identificar essas declarações prospectivas. Exemplos de declarações prospectivas incluem declarações relativas à nossa futura condição financeira e resultados operacionais, bem como quaisquer outras declarações que não se relacionam diretamente a qualquer fato histórico ou atual. As declarações prospectivas são baseadas em expectativas e suposições que acreditamos serem razoáveis quando feitas, mas que podem não ser precisas. Essas declarações não são garantias e estão sujeitas a riscos, incertezas e mudanças em circunstâncias que são difíceis de prever. Muitos fatores podem fazer com que os resultados reais sejam material e adversamente diferentes dessas declarações prospectivas.

    Entre esses fatores estão os riscos relacionados a:

    (1) a pandemia da COVID-19 e ações governamentais relacionadas, inclusive com relação às nossas operações, nossa liquidez, a saúde de nossos clientes e fornecedores, e a demanda futura por nossos produtos e serviços;
    (2) o 737 MAX, incluindo o cronograma e as condições de aprovações regulatórias do 737 MAX, taxas de produção e / ou taxas de entrega inferiores às planejadas e maiores considerações para clientes e fornecedores,
    (3) condições gerais da economia e do nosso setor, incluindo aquelas devido a mudanças regulatórias;
    (4) nossa dependência de nossos clientes de companhias aéreas comerciais;
    (5) a saúde geral de nosso sistema de produção de aeronaves, alterações nas taxas de produção de aeronaves comerciais planejadas, nosso desenvolvimento comercial e programas de aeronaves derivadas e nossas aeronaves estarem sujeitas a padrões de desempenho e confiabilidade rigorosos;
    (6) alteração dos níveis de orçamento e apropriação e prioridades de aquisição do governo dos EUA;
    (7) nossa dependência de contratos do governo dos EUA;
    (8) nossa confiança em contratos de preço fixo;
    (9) nossa confiança em contratos de tipo de custo;
    (10) incertezas relativas a contratos que incluem pagamentos de incentivos em órbita;
    (11) nossa dependência de nossos terceirizados e fornecedores, bem como a disponibilidade de matérias-primas;
    (12) mudanças nas estimativas contábeis;
    (13) mudanças no cenário competitivo em nossos mercados;
    (14) nossas operações fora dos EUA, incluindo vendas para clientes fora dos EUA;
    (15) ameaças à segurança de nossas informações ou das informações de nossos clientes;
    (16) desenvolvimentos adversos possíveis em litígios novos ou pendentes e / ou investigações governamentais;
    (17) concentração de clientes e aeronaves em nossa carteira de financiamento de clientes;
    (18) mudanças em nossa capacidade de obter financiamento de dívida em termos comercialmente razoáveis e a taxas competitivas;
    (19) alcançar os benefícios previstos de fusões, aquisições, joint ventures / alianças estratégicas ou alienações;
    (20) a adequação de nossa cobertura de seguro para cobrir exposições de risco significativas;
    (21) possíveis interrupções nos negócios, incluindo aquelas relacionadas a ameaças à segurança física, tecnologia da informação ou ataques cibernéticos, epidemias, sanções ou desastres naturais;
    (22) interrupções no trabalho ou outras interrupções de mão de obra;
    (23) obrigações substanciais de pensão e de benefícios pós-aposentadoria; e
    (24) possíveis responsabilidades ambientais.

    Informações adicionais sobre esses e outros fatores podem ser encontrados em nossos arquivos junto à SEC, incluindo nosso mais recente Relatório Anual no Formulário 10-K, relatórios trimestrais no Formulário 10-Q e os Relatórios Atuais no Formulário 8-K. Qualquer declaração admonitória tem valor apenas a partir da data em que é feita, e não assumimos nenhuma obrigação de atualizar ou revisar qualquer declaração admonitória, seja como resultado de novas informações, eventos futuros ou outros, exceto conforme exigido por lei.