• Declaração da Boeing sobre Alerta de Divergência dos sensores de AOA

    5 de maio de 2019 - Em todos os aviões entregues aos nossos clientes, incluindo o MAX, todos os dados e informações de voo necessários para operar com segurança a aeronave são fornecidos na cabine de pilotagem através dos displays/visores primários da cabine. Essas informações são, e sempre foram, fornecidas em tempo integral e posicionadas no campo de visão principal dos pilotos.

    A velocidade do ar, atitude, altitude, velocidade vertical do avião, trajetória e as configurações de potência do motor são considerados parâmetros primários utilizados pelas equipes de pilotagem para operar o avião em voos normais com total segurança. O stick shaker e o indicador de limite de pitch (arfagem) são os principais recursos utilizados para a operação do avião quando em ângulos de ataque elevados. Todas as ações de pilotagem recomendadas, listas de verificação e treinamento são baseadas nesses indicadores primários. Nem o indicador do ângulo de ataque nem o alerta de divergência dos sensores de AOA são considerados necessários para a operação normal e segura do avião. Eles fornecem apenas informações suplementares aos pilotos e nunca foram utilizados como recursos de segurança em aviões comerciais de transporte a jato. 

    Os requisitos de projeto da Boeing para o 737 MAX incluíam o alerta de divergência dos sensores de AOA como um recurso adicional e independente, em acordo com a filosofia de fundamental de projeto adotado pela Boeing, mantendo a uniformidade com o a versão dos aviões 737NG. Em 2017, alguns meses após o início das entregas do 737 MAX, os engenheiros da Boeing identificaram que o software do sistema de display do 737 MAX não atendia corretamente aos requisitos de alerta de divergência dos sensores de AOA. O software entregue à Boeing vinculou o alerta de divergência dos sensores de AOA ao indicador de AOA, que é um recurso opcional do MAX e do NG. Consequentemente, o software ativa o alerta de divergência dos sensores de AOA somente se a companhia aérea tivesse optado pela aquisição do indicador de AOA. 

    Quando a discrepância entre os requisitos e o software foi identificada, a Boeing iniciou seu processo padrão para determinar a resolução apropriada para este tipo de problema. Essa análise, que envolveu vários especialistas no assunto da empresa, determinou que a ausência do alerta de divergência dos sensores de AOA não afetava negativamente a segurança de operação do avião. Dessa forma, foi concluído que a funcionalidade existente era considerada aceitável e poderia ser mantida até que o alerta de divergência e o indicador de AOA pudessem ser desvinculados na próxima atualização já planejada de software do sistema de display. A alta liderança da empresa não esteve envolvida na análise ou tomou conhecimento desta questão logo após o acidente da Lion Air.

    Aproximadamente uma semana após o acidente da Lion Air, em 6 de novembro de 2018, a Boeing emitiu um Boletim do Manual de Operações (OMB, sigla em inglês), que foi adotado um dia depois da emissão pelo FAA de uma Diretriz de Aeronavegabilidade (DA, sigla em inglês). Ao identificar o alerta de divergência dos sensores de AOA como uma entre várias indicações que poderiam resultar em uma indicação errôneo de AOA, tanto o OMB quanto a DA descreveram o recurso de alerta de divergência dos sensores de AOA como disponível somente se a opção do indicador de AOA estivesse sido adquirida e instalada.

    A Boeing discutiu o status do alerta de divergência dos sensores de AOA com a FAA logo após o acidente da Lion Air. Naquela época, a Boeing informou ao FAA que os engenheiros da Boeing haviam identificado o problema de software em 2017, e determinaram, de acordo com o processo padrão da Boeing, que o problema não prejudicava a segurança de operação do avião. Em dezembro de 2018, a Boeing convocou um Conselho de Análise de Segurança (Safety Review Board - SRB) para analisar novamente qualquer possibilidade da ausência do alerta de divergência dos sensores de AOA em determinados visores/displays de voo do 737 MAX poderia apresentar qualquer problema de segurança em seus aviões. Após as discussões, o Conselho confirmou a conclusão inicial da Boeing de que isso não aconteceria. A Boeing comunicou com a FAA a conclusão e a análise detalhadas que suportam a conclusão do Conselho de Análise e Segurança.

    A Boeing está emitindo uma atualização do software do sistema de displays/visores, para implementar o alerta de divergência dos sensores de AOA como um recurso padrão e independente, como requisito antes que o MAX retorne ao serviço. Assim sendo, no momento que o MAX retornar ao serviço, todas as aeronaves de produção MAX terão o alerta de divergência dos sensores de AOA já ativado e operacional, além de um indicador opcional de ângulo de ataque. Todos os clientes com aviões MAX entregues anteriormente terão a capacidade de ativar o alerta de divergência dos sensores de AOA.